A influência do frio nas doenças respiratórias

Tempo de leitura: 6 minutos

A influência do frio nas doenças respiratórias é sempre um assunto que atinge diversas pessoas quando chega o período de inverno, onde ocorre o aumento no número de casos de infecções pulmonares por vírus e bactérias.

As famílias ficam alarmadas quando uma criança apresenta sinais e sintomas além do simples nariz escorrendo e dor de garganta, como febre alta, tosse prolongada, falta de ar, dor de cabeça, respiração ofegante, dificuldade para respirar, perda de sono, falta de apetite, distúrbio de comportamento, entre outros.  

No artigo de hoje, você vai entender sobre a relação entre o inverno e as doenças respiratórias e também como evitá-las nas crianças durante essa estação que traz baixas temperaturas.

frio nas doenças respiratórias

Qual a relação do inverno com as doenças respiratórias?

O que acontece é que durante o inverno, as pessoas passam mais tempo em ambientes fechados com as janelas fechadas, portanto, têm maior probabilidade de respirar o mesmo ar de quem está gripado e, assim, contrair o vírus.

Além disso, no inverno, os dias são mais curtos e a falta de luz solar leva a baixos níveis de vitamina D e melatonina, que requerem luz de raios solares para sua geração. Isso compromete nosso sistema imunológico, que por sua vez diminui a capacidade de combater o vírus.

Os vírus responsáveis por doenças respiratórias, como o Influenza, sobrevivem melhor em climas mais frios e secos e, portanto, podem infectar mais pessoas.

Quanto mais jovem a criança, mais problemática pode ser a doença. Se houver doenças subjacentes, como doenças cardíacas e pulmonares ou prematuridade, isso coloca a criança em maior risco de complicações que podem exigir tratamento no hospital.

Para pegar um resfriado, seu filho deve entrar em contato com alguém que esteja infectado com um dos vírus do resfriado. Da mesma forma que acontece com o cornavírus, o vírus do resfriado pode se espalhar:

Pelo ar

Se uma pessoa resfriada espirra ou tosse, pequenas quantidades do vírus podem ficar em suspensão como uma fumaça de cigarro. Então, se o seu filho respirar aquele ar, o vírus irá penetrar e aderir nas vias aéreas do seu filho.

Por contato direto

Ocorre quando seu filho toca uma pessoa ou objetos e superfícies infectadas. Um resfriado é fácil de espalhar entre as crianças. Isso ocorre porque eles tocam o nariz, a boca e os olhos com frequência e, em seguida, tocam outras pessoas ou objetos, espalhando o vírus.

É importante saber que os vírus podem se espalhar por meio de objetos, como brinquedos, que foram tocados por alguém que está resfriado.

Quais doenças respiratórias podem aparecer nas vias respiratórias?

Durante os meses de inverno, entre as crianças, o Vírus Sincicial Respiratório (VSR) e a Influenza (gripe) são os vírus mais comuns nos casos de doenças respiratórias, principalmente nos primeiros dois anos de vida. Diante do atual momento de pandemia, as crianças podem apresentar sintomas gripais indistinguíveis de uma infecção pelo Covid-19, 

As doenças comuns no inverno são: tuberculose, resfriado, gripe, asma, bronquite, rinite alérgica e pneumonia.

Leia também: Quais cuidados devo tomar para que meu filho não tenha tuberculose?

Não há um tratamento específico para doenças virais e antibióticos não fazem efeito. Uma variedade de medicamentos para tosse e resfriado são usados ​​pelos pais para aliviar os sintomas, geralmente com pouco sucesso.

No inverno, geralmente o ar que respiramos é mais poluído. Frentes frias frequentemente são desencadeadas por sistemas de alta pressão levando a céu claro, quase sem nuvens, mas que empurra poluição para baixo. Além disso, as queimadas são mais frequentes nesta época do ano, piorando a qualidade do ar que respiramos. Portanto, sintomas respiratórios relacionados à poluição são mais importantes nos meses mais frios. 

Esteja ciente que a poluição pode estar presente dentro de casa. Ácaros, baratas, fungos, pelos de animais, combustão de gás de cozinha e fumaça de cigarro são alguns fatores que podem poluir o ar interno. Como a casa fica mais fechada nos dias mais frios, a concentração destes poluentes se eleva, facilitando o desencadeamento de sintomas respiratórios.

Portanto uma boa higiene ambiental ajuda a diminuir os poluentes domésticos. Assista meu vídeo sobre ácaros no Youtube!

Dicas para fugir das doenças respiratórias no inverno

1. Leve a criança para tomar a vacina da gripe

Uma ótima maneira de prevenir a gripe, é buscar pela vacina, que é disponibilizada gratuitamente pelo SUS. Além disso, você pode levar seu filho para se vacinar em algumas farmácias e clínicas privadas como a Pulmolab que fazem a comercialização da vacina. A vacina de gripe previne apenas contra a infecção pelo vírus influenza, não sendo protetora para outros vírus frequentes no inverno.

2. Lave a mão das crianças com frequência

Lavar as mãos é um dos melhores métodos, pois se trata de uma ação simples e que elimina os germes instantâneamente. O indicado é que a criança faça isso de forma correta e no tempo certo.

O ideal é que as mãos da criança sejam lavadas por pelo menos 30 segundos, tendo atenção para que todas as partes sejam limpas, inclusive entre os dedos e a palma das mãos.

3. Evite contato com pessoas sintomáticas

Se existe alguma pessoa com sintomas de gripe ou resfriado, o melhor é que a criança fique afastada dela, para evitar que ela se contamine.

Concluindo

Para que você evite doenças respiratórias nas crianças, é necessário tomar todos os cuidados necessários. Lembrando que um médico especialista pode identificar qual é a doença que o seu filho possui e determinar o tratamento correto.

Acesse o site da Pulmolab, nosso corpo clínico possui médicos especialistas em Pneumologia/Alergia Pediátrica que podem diagnosticar a  causa dos sintomas da criança e indicar como pode ser feito o tratamento de forma correta.

Se você gostou deste conteúdo, continue acompanhando as novidades do nosso blog, não deixe de acompanhar e siga nosso Instagram e Facebook, para ter acesso a outros conteúdos que podem ajudar você a cuidar da saúde da criança.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *