Perguntas e respostas sobre o coronavírus

Tempo de leitura: 8 minutos

Baseado em artigo publicado esta semana no New York Times vamos responder algumas das dúvidas frequentes ao coronavírus. Confira!

O coronavírus está nas minhas roupas? Meus sapatos? Meu cabelo? No meu jornal?

Devo trocar de roupa e tomar banho quando chegar em casa do supermercado?

Para a maioria de nós que pratica distanciamento social e faz apenas viagens ocasionais ao supermercado ou farmácia, os especialistas concordam que não é necessário trocar de roupa ou tomar banho quando você voltar para casa. Você deve, no entanto, sempre lavar as mãos. Embora seja verdade que um espirro ou tosse de uma pessoa infectada possa impulsionar gotículas virais pelo ar, a maioria delas cairá no chão.

Estudos mostram as pequenas partículas virais podem flutuar no ar por cerca de meia hora, mas não se aglomeram como mosquitos e é improvável que colidam com suas roupas. ” Devido à sua aerodinâmica, é improvável que uma gota pequena o suficiente para flutuar no ar por algum tempo também seja depositada nas roupas “, disse a Dra. Linsey Marr, cientista de aerossóis da Virginia Tech University nos Estados Unidos. “As gotículas são pequenas o suficiente para se moverem no ar ao redor do corpo e das roupas, sem depositar nelas”.

coronavírus

Por que pequenas gotículas e partículas virais normalmente não pousam em nossas roupas?

“A melhor maneira de descrevê-lo é que as partículas virais seguem o fluxo de ar, em torno de uma pessoa. É como pequenos insetos e partículas de poeira fluindo nas linhas de fluxo ao redor de um carro em velocidade, mas potencialmente batendo no pára-brisa se o carro estiver indo rápido o suficiente “, disse a Dra. Marr.

“Os humanos geralmente não se movem rápido o suficiente para que isso aconteça”, informa a Dra. Marr. “À medida que avançamos, empurramos o ar para fora do caminho, e a maioria das gotículas e partículas também são empurrada para fora do caminho. Alguém teria que borrifar grandes gotas conversando – um cuspidor – tossindo ou espirrando para que pousassem em nossas roupas. Usando máscaras isto não acontece. As gotículas precisam ser grandes o suficiente para não seguir as linhas de fluxo “.

Então, se você está fazendo compras e alguém espirra em você, provavelmente quer ir para casa, trocar de roupa e tomar banho. Mas, durante o resto do tempo, considere que seu corpo lento está empurrando o ar e as partículas virais para longe de suas roupas. Física pura e simples.

Veja também: Gripe x coronavírus: saiba a diferença

Existe o risco de o vírus estar no meu cabelo ou barba?

Por todas as razões descritas acima, você não deve se preocupar com a contaminação viral de seus cabelos ou barba, se estiver praticando distanciamento social. Mesmo se alguém espirrasse na parte de trás da sua cabeça, qualquer gota que caísse no seu cabelo seria uma fonte improvável de infecção.

“Você precisa pensar em todo processo que precisaria acontecer para alguém se infectar pelo cabelo”, disse o Dr. Andrew Janowski, Professor de Doenças Infecciosas Pediátricas da Escola de Medicina da Universidade de Washington. “Você tem alguém que espirra. Há necessidade de ter uma quantidade grande de vírus no espirro. Então tem que cair em você muitas gotas com grande quantidade de vírus”.

“Depois você precisa tocar rapidamente na parte do cabelo ou na roupa que possui essas gotículas, já que a quantidade de vírus nessas gotículas diminuem rapidamente quando decantadas no cabelo “, disse o Dr. Janowski. “Portanto, você tem que tocar nestas gotículas o mais rápido possível, e depois tocar em qualquer parte do seu rosto, para que seu organismo entre em contato com vírus. Quando você pensa na sequência de eventos que deve ocorrer, um número muito grande de coisas precisa acontecer da maneira certa e na hora certa. Isto raramente acontece na vida real, o que torna o risco de contaminação muito baixo. ”

Por quanto tempo o coronavírus pode permanecer viável no tecido e em outras superfícies?

A maior parte do que sabemos sobre quanto tempo esse novo coronavírus vive em superfícies vem de um importante estudo publicado no The New England Journal of Medicine em Março de 2020, um dos jornais mais respeitados do mundo. O estudo descobriu que o vírus pode sobreviver, em condições ideais, até três dias em superfícies de metal duro e plástico e até 24 horas em papelão.

Mas o estudo não analisou sobrevivência em roupas e tecidos. Ainda assim, a maioria dos especialistas em vírus acredita que a pesquisa em papelão oferece pistas sobre como o vírus provavelmente se comporta no tecido. As fibras naturais absorventes do papelão fazem com que o vírus seque mais rapidamente do que em superfícies duras impossibilitando a sua sobrevivência. As fibras do tecido provavelmente produziriam um efeito semelhante.

Um estudo de 2005 com o vírus que causou a SARS, outra forma de coronavírus, fornece mais garantias. Nesse estudo, os pesquisadores testaram quantidades cada vez maiores de amostras virais em papel e em um vestido de algodão. Dependendo da concentração do vírus, foram necessários cinco minutos, três horas ou 24 horas para o vírus se tornar inativo. “Mesmo com uma carga de vírus relativamente alta na gota, os pesquisadores concluíram que houve uma perda rápida da infectividade do vírus no papel e no tecido de algodão”.

Devo me preocupar com o correio, pacotes ou jornal?

O risco de ficar doente ao lidar com correio, pacotes ou sacolas é extremamente baixo e, neste momento, apenas teórico. Não há casos documentados de alguém ficar doente ao abrir um pacote ou ler um jornal.

Mas isso não significa que você não deve tomar precauções. Após manusear correspondência ou pacotes ou ler o jornal, descarte a embalagem e lave as mãos. Se você ainda se sentir especialmente preocupado com isso, siga as orientações do estudo do New England Journal e deixe o correio e os pacotes descansarem por 24 horas antes de manipulá-los.

Quanto devo me preocupar com a contaminação se sair para passear com o cachorro ou fazer exercícios?

Suas chances de pegar o vírus quando você sai para o fora de casa são extremamente baixas, desde que você mantenha uma distância segura dos outros.

“O ambiente ao ar livre é seguro e certamente não há nuvens de gotículas carregadas de vírus”, disse a Da. Lidia Morawska, professora e diretora do Laboratório Internacional de Qualidade e Saúde do Ar na Universidade de Tecnologia de Queensland, em Brisbane, na Austrália.

“Em primeiro lugar, qualquer gota infecciosa exalada para fora do corpo seria rapidamente diluída no ar externo, fazendo com que suas concentrações se tornassem rapidamente insignificantes”, disse a Dra. Morawska. “Além disso, a estabilidade do vírus ao ar livre é significativamente menor do que em ambientes fechados. Portanto, atividade ao ar livre não é realmente um problema, a menos que estejamos em um local muito movimentado ou em aglomerações. É seguro dar um passeio e correr e não se preocupar com o vírus no ar, e não há necessidade de lavar imediatamente as roupas. ”

Leia mais: Coronavírus: Saiba mais sobre o vírus em pediatria

Quando chego em casa, devo remover meus sapatos e limpá-los?

Os sapatos podem abrigar bactérias e vírus, mas isso não significa que eles sejam uma fonte comum de infecção. Um estudo de 2008 encomendado pela Rockport Shoes encontrou muitas coisas grosseiras, incluindo bactérias fecais, nas solas dos nossos sapatos. Um estudo recente da China descobriu que entre os profissionais de saúde, metade tinha coronavírus detectado em seus sapatos, o que não é inesperado, pois eles trabalhavam em hospitais com pacientes infectados.

Então, o que devemos fazer com nossos sapatos? Se seus sapatos são laváveis, você pode lavá-los. Como limpar as solas dos sapatos? Com um pano? Isso não é recomendado! Não apenas desperdiça uma boa limpeza, mas traz germes que permaneceriam na sola do seu sapato ou no chão diretamente para as mãos. Uma solução prática é usar spray com álcool a 70% ou deixar os sapatos guardados por algumas horas.

Agora que você teve algumas de suas dúvidas sanadas, e entende a importância, fique em casa e continue acompanhando os artigos da Clínica Pulmolab aqui no blog e as nossas postagens no Facebook e no Instagram.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.