Mesmo com infecções emergentes, as pessoas vacinadas não ficam tão doentes

Tempo de leitura: 2 minutos

Duas equipes de pesquisadores relataram na semana passada que mesmo que contraiam uma infecção invasiva, as pessoas vacinadas não ficam tão doentes com o Covid-19.

Ambos os estudos mostram que as vacinas protegem fortemente contra doenças graves e morte – mesmo meses depois que as pessoas foram vacinadas pela primeira vez, e conforme a variante Delta, mais transmissível, renovou a propagação do vírus.

Um grande estudo em andamento com 780.000 pessoas mostra que a vacinas Pfizer, Moderna e Johnson & Johnson – fornecem forte proteção contra a morte por Covid-19, mesmo que sua eficácia contra infecções leves e assintomáticas tenha diminuído drasticamente.

Os pesquisadores analisaram homens e mulheres recebendo tratamento nas instalações dos veteranos de guerra americanos e descobriram que a eficácia geral da vacina contra todos os tipos de infecção caiu de 87,9% em fevereiro para 48,1% em outubro.

Eles contaram apenas os veteranos totalmente vacinados e apenas os resultados dos testes de reação em cadeia da polimerase (PCR), o padrão ouro para determinar a infecção.

 “Embora a infecção súbita aumente o risco de morte, a vacinação permaneceu protetora contra a morte em pessoas que foram infectadas durante o aumento do Delta”, escreveram os pesquisadores em seu relatório, publicado na revista Science.

Um segundo estudo foi coordenado com o CDC e descobriu que as pessoas vacinadas com as vacinas da Pfizer ou Moderna têm muito menos probabilidade de acabar no hospital em um respirador ou morrer de infecção do que as pessoas não vacinadas.

 A equipe de 21 hospitais dos EUA em 18 estados estudou 4.513 pacientes internados em hospitais com doenças respiratórias entre março e julho. “Os pacientes não vacinados foram responsáveis ​​por 84,2% das hospitalizações por COVID-19. A hospitalização por COVID-19 foi significativamente associada à diminuição da probabilidade de vacinação”, escreveu a equipe.

Portanto, embora possa haver casos graves e até óbitos em pessoas completamente vacinadas, estes casos são muito raros.

Acesse o site da Pulmolab, nosso corpo clínico possui médicos especialistas em Pneumologia/Alergia Pediátrica que podem diagnosticar a  causa dos sintomas da criança e indicar como pode ser feito o tratamento de forma correta.  

Se você gostou deste conteúdo, continue acompanhando as novidades do nosso sitee blog, não deixe de acompanhar e siga nosso YouTube, InstagramFacebook, para ter acesso a outros conteúdos que podem ajudar você a cuidar da saúde da criança.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.