Alergia a mofo: como evitar?

Tempo de leitura: 6 minutos

O mofo está por todo lado, dentro e fora de casa, embora você possa não notar. Ele se espalha liberando esporos minúsculos e leves que viajam pelo ar, crescendo rapidamente em espaços úmidos e escuros, como porões, latas de lixo e pilhas de folhas podres.

Quando está na comida, geralmente você pode ver sinais, como manchas verdes difusas que aparecem no pão e a medida que cresce, as raízes do mofo podem afundar profundamente na comida, onde você não pode ver.

Todos nós estamos expostos ao mofo todos os dias e, geralmente, não há problemas muito graves. Mas se alguém tem alergia a isso, pode ter uma reação se ficar perto demais ou acabar ingerindo por acidente.

No artigo de hoje você vai saber quais são os sintomas da alergia a mofo, como evitar a alergia e quais são os tratamentos indicados.

Quais são os sintomas da alergia a mofo?

Os sintomas da alergia ao mofo são muito semelhantes aos sintomas de qualquer outra alergia, como: espirros, coceira, rinorreia, congestão e erupção na pele.

Esporos de fungos entram em seu nariz e causam sintomas nasais, também chamados de febre do feno. Eles também podem atingir os pulmões e desencadearasma. Uma substância química liberada por células alérgicas no nariz e/ou nos pulmões causa os sintomas. Às vezes, a reação acontece imediatamente. 

Às vezes, uma alergia a fungos pode causar sintomas retardados, levando à congestão nasal ou piorando lentamente o quadro de asma. Os sintomas costumam piorar em um ambiente úmido ou mofado, como um porão. Isso pode sugerir que alergia ao mofo pode estar presente.

Como evitar a alergia a mofo

Alguns fatores dentro de casa ou externos podem contribuir para a alergia causada pelo mofo, por isso, a melhor prevenção é remover o mofo, evitar a proliferação de fungos e se certificar que a criança fique longe desses alérgenos.

Como posso prevenir uma reação alérgica a mofo?

Mas você pode reduzir seus sintomas de alergia evitando o contato com os esporos de fungos. Várias medidas ajudarão:

Reduza a exposição da criança a esporos de fungos externos.

  • Esteja atento a atividades ao ar livre, onde existem diversos vírus, bactérias e fungos que podem causar até mesmo outras doenças, como: rinite alérgica, asma, viroses e etc.
  • O ideal é usar máscaras ao cortar a grama, cavar em volta das plantas, colher folhas e mexer em outros materiais vegetais.

Reduza sua exposição a esporos de fungos internos

  • Caso exista ar condicionado, umidificadores ou ventiladores, certifique-se que todos estejam sempre limpos para evitar a proliferação de fungos e bactérias.
  • Se você tiver que usar um umidificador , limpe o reservatório de fluido pelo menos duas vezes por semana para evitar o crescimento de mofo. Os condicionadores de ar e desumidificadores também podem ser uma fonte de mofo.
  • Evite o acúmulo de mofo e bolor dentro de casa. Preste muita atenção ao mofo em banheiros, porões e áreas de lavanderia. Seja agressivo ao reduzir a umidade.

Para reduzir o mofo em seus banheiros:

  • Use um exaustor ou abra a janela do banheiro durante os banhos e chuveiros.
  • Remova o carpete do banheiro de lugares onde possa ficar molhado.
  • Limpe pias e banheiras pelo menos uma vez por mês. Os fungos prosperam com sabão e outros produtos que revestem ladrilhos e rejuntes.
  • Repare rapidamente qualquer vazamento de encanamento.

Para reduzir o mofo em sua cozinha:

  • Limpe os baldes de lixo com frequência.
  • Limpe as juntas da porta do refrigerador e as pingadeiras.
  • Repare rapidamente qualquer vazamento de encanamento.
  • Use um exaustor ao cozinhar ou lavar pratos.

Para reduzir o mofo em sua área de lavanderia:

  • Remova as roupas da máquina de lavar imediatamente após a lavagem.
  • Se você tiver uma máquina de lavar com carregamento frontal, limpe as vedações de borracha e a parte interna da porta. Deixe a porta aberta quando a máquina não estiver em uso.
  • Não deixe roupas molhadas e úmidas espalhadas.
  • Certifique-se de que a área de serviço tenha boa circulação de ar.

Para reduzir o mofo em seus quartos:

  • As espumas de poliuretano e borracha podem dificultar a invasão de fungos. Use capas de plástico na cama feita com esses materiais.
  • Jogue fora ou recicle livros velhos, jornais, roupas ou roupas de cama.
  • Verifique as janelas quanto a condensação (gotículas de água ou névoa).
  • Melhore o fluxo de ar em seu quarto. Se o seu armário estiver mais frio do que o resto do quarto, deixe as portas do armário abertas.

Para reduzir o mofo em partes externas:

  • Repare rapidamente qualquer vazamento de encanamento.
  • Promova a drenagem da água subterrânea para longe de uma casa. 
  • Remova as folhas e a vegetação morta perto da fundação e nas calhas de chuva.

Para reduzir o mofo em toda a sua casa:

  • Aumente o fluxo de ar em sua casa. 
  • Abra as portas entre os cômodos, afaste os móveis das paredes e use ventiladores, se necessário.
  • Conserte vazamentos e calhas no telhado.
  • Limpe suas calhas para remover folhas e detritos. Quando as calhas estão cheias ou danificadas, pode causar vazamento.

Quais são os tratamentos para alergia a fungos?

Em alguns casos, pode haver maneiras de reduzir ou remover a exposição aos alérgenos. Isso nem sempre é possível e o paciente pode precisar de medicamentos.

Geralmente, são recomendados medicamentos para os sintomas nasais e outros sintomas alérgicos, como anti histamínicos e esteróides nasais. Porém, o ideal é ter auxílio com um especialista no assunto.

Se o paciente tem asma alérgica, converse com um alergista sobre quais medicamentos podem ser melhores para cada caso.

Acesse o site da Pulmolab, nosso corpo clínico possui médicos especialistas em Pneumologia/Alergia Pediátrica que podem diagnosticar a  causa dos sintomas da criança e indicar como pode ser feito o tratamento de forma correta. Nele também você encontra instruções mais detalhadas de como proceder em caso de alergia a mofo. 

Se você gostou deste conteúdo, continue acompanhando as novidades do nosso blog, não deixe de acompanhar e siga nosso Instagram e Facebook, para ter acesso a outros conteúdos que podem ajudar você a cuidar da saúde da criança.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.