Criança com alergia à droga

Tempo de leitura: 6 minutos

Nós entendemos que uma criança com alergia à droga/remédios (antibióticos e anti-inflamatórios) é um fator preocupante para os pais, que precisam ter controle sobre a saúde dos filhos.

Um estudo feito na América Latina, que incluiu dados do Brasil, aponta que os antibióticos e anti-inflamatórios são um dos principais causadores de reações alérgicas, quando se trata de medicamentos.

Muitos pais procuram por um alergista, com suspeita de que seu filho tenha alguma alergia a medicamentos, sendo que apenas metade dos casos são realmente diagnosticados por especialistas médicos.

Os sintomas das alergias provocadas por medicamentos na infância são bastante semelhantes nas crianças e nos adultos, como: vermelhidão no corpo, erupções na pele, inchaço nos olhos, entre outros.

No artigo de hoje, você vai saber sobre outros sintomas que podem indicar alergia a medicamentos, saber qual é a causa da alergia e quando é necessário procurar por um médico especialista.

Leia também: O que esperar de uma consulta com o Alergista?

O que causa a alergia à droga?

Como dissemos anteriormente, os anti-inflamatórios são um dos medicamentos que mais estão envolvidos com reações adversas, pois incluem compostos heterogêneos com estruturas químicas que são muito diferentes dos outros tipos de medicação.

Essas reações podem acontecer por mecanismos alérgicos à composição ou por um mecanismo não-imunológico específico.

Além dos anti-inflamatórios tradicionais, fazem parte deste grupo medicamentos como a Dipirona, Ibuprofeno e as Aspirinas. Apesar de serem muito utilizados em pediatria, são poucas as reais indicações cientificamente corretas para o uso de anti-inflamatórios em crianças. Com exceção do seu uso para febre e dor, é recomendado que nenhum medicamento seja utilizado sem prescrição médica. 

Como saber se realmente meu filho possui alergia?

Ainda não existem exames laboratoriais específicos para o diagnóstico correto de alergia a medicamentos, tendo em que podem provocar reações diversas por mecanismos diferentes.

O primeiro passo para identificar se a criança possui alergia, é avaliar o histórico clínico da criança de forma bem detalhada, procurando por sintomas sugestivos de alergia à droga.

Análise do histórico clínico, inclui uma entrevista detalhada com os pais e a criança, para identificar outros episódios onde apareceram sintomas que possam indicar a alergia. Essa entrevista é feita em consultório e é chamada de “anamnese”.

Quando o médico possui um bom conhecimento dos processos do sistema imunológico da criança, a identificação de fatores relevantes são imprescindíveis para dar um diagnóstico correto.

Na maioria das vezes, as crianças que estão com alergia a medicamentos apresentam manifestações cutâneas que aparecem por conta de outro tipo de infecção e não pelo medicamento em si. Por outro lado, podem ocorrer sintomas relacionados aos efeitos colaterais do medicamento, não preenchendo critérios para alergia a drogas.

Alguns testes cutâneos que são feitos na pele da criança, podem ajudar no diagnóstico. Os teste cutâneos são feitos em pacientes selecionados e apenas para alguns medicamentos, após o médico considerar cuidadosamente o quadro clínico da criança. 

Até o momento da publicação deste artigo, nenhum exame laboratorial específico existe para diagnosticar a origem das reações alérgicas a qualquer tipo de medicamento.

Por fim, após confirmar que a criança possui reações adversas a anti-inflamatórios ou qualquer outro medicamento, o tratamento é direcionado para aliviar os sintomas que foram desencadeados por causa da medicação.

Não utilizar medicamentos que causam alergia é a melhor forma de eliminar reações adversas.

Quais são os principais sintomas?

Os sintomas são os mais variados possíveis, podendo ocorrer minutos, horas e até dias após a ingestão do medicamento.  As reações mais comuns são a urticária e/ou angioedema. Podem ocorrer ainda sintomas gastrointestinais, dores articulares e até reação anafilática.

Os angioedemas ocorrem após tomar o medicamento que provocou a alergia, desenvolvendo “inchaço” nos lábios e nas pálpebras, podendo aparecer também nas orelhas, língua ou outras partes do corpo. Já a urticária é quando o paciente apresenta erupções e manchas vermelhas pelo corpo.

Felizmente as reações adversas graves são mais raras, sendo que as principais são divididas em dois grupos:

  • Ocorrendo rapidamente nos primeiros minutos ou horas após o uso do medicamento.
  • Ocorrendo várias horas depois, ou até mesmo dias.

As reações mais graves, que ocorrem no primeiro grupo, são as da anafilaxia, onde o paciente pode apresentar alterações na pele, chiado no peito, falta de ar, palpitações, queda de pressão e vômitos.

Nas reações mais tardias, podem ser observadas manifestações na pele mais graves, como lesões com bolhas por todo o corpo e sintomas que envolvem órgãos internos como os rins e o fígado, por exemplo.

Na maioria das vezes, as reações tardias são difíceis de identificar como uma possível reação ao medicamento, pelo fato do intervalo entre o início da medicação e os primeiros sintomas ser maior.

Quando procurar um médico alergista?

O atendimento médico é necessário quando se nota a ocorrência de sintomas considerados alérgicos, pois as informações contidas neste site são de caráter informativo e somente um profissional da área médica pode dar sequência na resolução dos problemas.

Em casos de sintomas extremos, é importante que o atendimento seja feito rapidamente, de modo que a causa seja descoberta mais cedo e o tratamento indicado para doenças alérgicas se inicie o quanto antes.

É imprescindível que todas as questões de saúde sejam tratadas por um médico especializado para que se obtenha sucesso no tratamento.

Alergia a droga é um dos temas mais difíceis dentro da alergia e imunologia. Geralmente é comum as pessoas consultarem com médicos de diferentes especialidades, mas lembre-se que geralmente o alergista é o profissional mais preparado para diagnosticar e tratar alergia a droga.

Leia também: O que é o teste de provocação?

Você quer se manter informado sobre assuntos como este? Acesse o site da Pulmolab e nosso Blog e siga-nos nas redes sociais: Facebook e Instagram!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *