Seu filho provavelmente não tem alergia à penicilina

Tempo de leitura: 7 minutos

Pesquisas mostram que a maioria das crianças rotuladas como alérgicas à penicilina na verdade não é. Veja como descobrir com certeza.

Miguel, o seu primeiro filho de um jovem casal, tinha acabado de completar um ano e passou a ficar mais irritado, choroso e batia na orelha com certa frequência. Seu pediatra diagnosticou uma infecção no ouvido e receitou amoxicilina, um antibiótico da família das penicilinas. Uma semana depois, o ouvido da criança parou de doer, mas ele apareceu com uma erupção em todo o corpo. O médico do garoto culpou o antibiótico e acrescentou “alérgico à penicilina” ao diagnóstico.

É um cenário comum. Cerca de 5 milhões de crianças nos Estados Unidos com 18 anos ou menos são identificadas como alérgicas à penicilina, de acordo com a Academia Americana de Pediatria. A maioria recebe este diagnóstico antes do terceiro aniversário. E muitas vezes fica com eles pelo resto da vida.

alergia à penicilina

A pesquisa sobre alergia à penicilina

Médicos da Faculdade de Medicina de Wisconsin passaram a questionar se sintomas leves como do Miguel se realmente estavam associados  a uma verdadeira alergia à penicilina. Na maioria das vezes, testes simples mostraram que não havia alergia verdadeira. Eles então resolveram testar 500 crianças de 4 a 18 anos relatado como alérgico à penicilina publicado na revista Pediatrics em 2017. Com base em registros médicos e questionários dos pais sobre a história de sintomas de seus filhos, os pesquisadores determinaram que três quartos das crianças nunca tiveram uma reação preocupante à penicilina – e quase certamente nunca teriam. Eles fizeram testes alérgicos a penicilina a em 100 dessas crianças de baixo risco. Nenhuma era verdadeiramente alérgica à penicilina.

O estudo da Faculdade de Medicina de Wisconsin acrescenta um conjunto de evidências sugerindo que as alergias à penicilina verdadeiras são raras e superdiagnosticadas. De fato, uma revisão publicada no ano passado no Journal of American Medical Association concluiu que 19 de 20 pessoas que foram informadas de que são alérgicas à penicilina na verdade não são.

Em muitos casos, a penicilina é mais barata, mais segura e funciona melhor que as alternativas, e remover esse rótulo falso na infância oferece um benefício para o resto da vida. Algumas penicilinas estão disponíveis gratuitamente nos postos de saúde. Se apenas metade das crianças nos Estados Unidos que procuraram o médico por uma infecção no ouvido recebessem amoxicilina em vez de um antibiótico a economia seria de US $ 34 milhões por ano.

Veja também: Validade de medicamentos e sua eficácia

Uma razão pela qual os médicos preferem prescrever penicilina é porque ela é eficaz para matar bactérias causadoras de doenças comuns, como estafilococos, estafilococos e estreptococos. “A penicilina é um antibiótico realmente importante para infecções comuns da infância – para tudo, desde infecções de ouvido a infecções na garganta e pneumonia”, disse Allison Norton, M.D., professora assistente de pediatria na Faculdade de Medicina da Universidade Vanderbilt. A Dra. Norton publicou uma revisão de 2018 na revista Pediatrics que demonstrou outra vantagem crucial da penicilina: ela tem como alvo restrito as bactérias que estão deixando você doente. As drogas de amplo espectro são mais propensas a matar bactérias protetoras e estimular a resistência a antibióticos.

Os pais podem pensar que uma alergia à penicilina ocorre em famílias – geralmente não – ou confundir efeitos colaterais comuns como dor de estômago ou dor de cabeça, por sintomas de alergia. Porém, os erros de diagnóstico acontecem com mais freqüência quando uma criança que toma o medicamento começa a apresentar erupção cutânea. A maioria das infecções respiratórias como otites, sinusites, amigdalites, faringites, entre outras, são precedidas por uma doença viral que  frequentemente causa erupção cutânea. A associação de vírus com antibiótico aumenta a chance de ocorrer erupção cutânea. Algumas crianças, a droga em si causa uma erupção avermelhada e achatada – normalmente depois de tomá-la há vários dias. Essas erupções cutâneas são inofensivas, desaparecem por conta própria e raramente se repetem. 

O que fazer

Os médicos costumavam presumir que uma criança que desenvolvesse uma erupção cutânea leve relacionada a medicamentos poderia ter uma reação mais séria no futuro. Mas pesquisas realizadas nos últimos 10 anos mostraram que isso não é verdade. Nosso entendimento realmente mudou para melhor, mas pode ser bastante confuso para os pais, porque o que lhes disseram alguns anos podem ser muito diferentes. As verdadeiras reações alérgicas, que ocorrem quando o sistema imunológico do corpo reage exageradamente, quase sempre ocorrem de repente – em questão de minutos a algumas horas após o uso do medicamento. Os sintomas geralmente incluem urticária, coceira nos olhos e inchaço nos lábios, língua ou rosto. Em alguns casos, a alergia pode causar vômitos e diarréia. Raramente, as alergias à penicilina levam à anafilaxia, uma reação com risco de vida que afeta todo o corpo. Mais raramente, a criança desenvolve sintomas graves, como febre alta ou bolhas, descamação da pele dias ou até semanas após o uso do medicamento.

Os pais devem ligar para o médico se o filho apresentar novos sintomas enquanto estiver tomando um medicamento. Tire fotos e anote os detalhes pertinentes. Saber o que acontece quando uma criança tem uma reação é fundamental para descobrir como conduzir essas crianças no futuro. Se um profissional de saúde estiver preocupado com os sintomas, ou simplesmente não tiver certeza, ele pode interromper a penicilina e prescrever um antibiótico diferente mas na maioria das vezes isto não é necessário. Se isso acontecer, não deixe de consultar com um alergista para descobrir se seu filho é realmente alérgico.

Conclusão

Fazer o teste é mais fácil do que você pensa. O teste de alergia deve ser realizado em um consultório médico ou clínica, onde eles têm tratamento em mãos, caso ocorram sintomas. Pode envolver muita espera para ver se algo acontece, portanto, traga uma atividade silenciosa para passar o tempo. A maioria das crianças passa por um “desafio oral”, onde recebe uma pequena quantidade da droga e, se não houver reação, o restante da dose. Se nada acontecer depois de uma hora, você é liberado. Se o seu filho tiver um histórico de sintomas graves, como inchaço, falta de ar ou início rápido de urticária, será necessário consultar um especialista em alergia para fazer um teste cutâneo. Isso envolve, primeiro, um arranhão na pele com um o antibiótico e, se isso não causar um inchaço vermelho, usar uma agulha pequena para colocar mais antibiótico no subcutâneo – debaixo da pele. O procedimento é menos doloroso do que parece e não envolve sangue. Se não houver reação nos locais de teste, o médico fará um desafio oral para confirmar se seu filho é ou não alérgico.

O blog Pulmolab traz informações atualizadas para você e sua família, mas não exclui a necessidade de acompanhamento médico. Siga-nos nas redes sociais – Facebook Instagram – para receber novos conteúdos no seu feed!

1 comentário


  1. Sou a Ana De Oliveira, gostei muito do seu artigo tem
    muito conteúdo de valor parabéns nota 10 gostei muito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *